#MarçoAmarelo: Conscientização e Prevenção de Doenças Renais em Pets

Iniciada no ano de 2006 pela Sociedade de Nefrologia (ISN) e a Federação Internacional de Fundações Renais (IFKF) da medicina humana, a Campanha da Prevenção de Doenças Renais recebeu o apoio da Sociedade Internacional de Interesse Renal (IRIS), entidade mais importante em pesquisa de nefrologia e urologia, para a área da medicina veterinária.

#MarçoAmarelo também tem como objetivo principal conscientizar sobre doenças renais que acometem cães e gatos nas fases adulta e sênior.

A maior característica da doença renal é quando os rins perdem a capacidade do exercer suas funções principais como evitar a perda excessiva de água, manter o equilíbrio entre ácidos e contribuir para o metabolismo. Quando ela aparece, pacientes podem apresentar desidratação por conta do acúmulo de ácidos e moléculas no sangue, como ureia e creatina, que no processo normal deveriam sair na urina.

A doença renal está entre as que mais causam morte de pets, principalmente gatos, que a cada três casos, dois são diagnosticados, enquanto cães é um a cada dez. Sabemos que diferentemente dos cães, felinos são discretamente silenciosos, portanto os catlovers devem se atentar aos seguintes comportamentos que apontam irregularidades no organismo:

– Excesso e descontrole da urina (poliúria);

– Sede excessiva (polidipsia);

– Má alimentação por diminuição de apetite;

– Crises de vômito;

– Diarreia (com alteração de cor e consistência das fezes);

– Mau hálito;

– Cansaço e fraqueza;

– Emagrecimento.

Tais sintomas podem ter ligação com outros tipos de doenças, por isso o tutor jamais pode considerar algum deles “normal”. As raças registradas com certa predisposição à esses sintomas são: Abissínio, Azul Russo, Maine Coon, Persa e Siamês.

check-up com o médico veterinário é indispensável, principalmente porque com um diagnóstico no estágio inicial da doença renal (leptospirose) é possível reverter o quadro clínico do animal.

O resultado da presença da doença pode ser obtido por meio de exames de imagem, sangue e urina. Em estágios mais graves, o comprometimento do rim pode chegar em até 75% e apesar de não haver cura, é possível controlar a progressão através de fluidos terapêuticos, soro, controle de sódio, potássio e também da alimentação.

Sem o tratamento adequado, doenças renais comprometem sistemas cardiovascular, digestivo, hematopoiético (reduzindo a produção de células vermelhas do sangue), esquelético e neurológico do pet.

Por isso, neste mês levantamos a hashtag #MarçoAmarelo e incentivamos você que possui um pet em casa, para que o leve a um veterinário e realize os exames necessários. Se preocupar e agir em prol da saúde do seu animal, também é um gesto de amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado


*