Está pensando em adotar um animal de estimação? Saiba como funciona o processo

Adotar um animal abandonado é um ato de amor e solidariedade, mas antes de tomar essa decisão, porém, é importante planejar e avaliar se você e a sua família têm condições para assumir essa responsabilidade. Geralmente os documentos exigidos são: RG, CPF e comprovante de residência, mas não é só isso, se você realmente estiver disposto a é preciso ficar atento a algumas regras:

– Idade
Animais de estimação só podem ser adotados por pessoas com idade igual ou superior a 18 anos. Mesmo assim, algumas instituições (Ong´s ou protetores independentes) querem saber se os demais integrantes da família estão de acordo com a adoção do animal. Um conflito familiar pode resultar em mais um abandono ou maus tratos.


– Documentos
Para formalizar a adoção é necessário apresentar a cédula de identidade, CPF e o comprovante de residência. Com isso, a instituição pode controlar o processo de adoção, localizar o adotante e realizar visitas.


– Responsabilidade
Outra exigência é a assinatura de um termo de responsabilidade, por meio do qual o adotante assume o compromisso de cuidar bem do animal. Ao assinar esse documento, o adotante está sujeito às penalidades legais, em caso de maus tratos e abandono do animal.


– Entrevista
A entrevista faz parte do processo de adoção. O objetivo é avaliar se a pessoa interessada realmente tem condições para cuidar do animal: alimentação, assistência veterinária, adestramento, proteção, entre outros cuidados.

Atendendo aos requisitos obrigatórios a pessoa já pode adotar um animalzinho! Não podemos esquecer que junto com ele também vem os custos com alimentação, vacinas e tratamentos veterinários. Dependendo da raça, você terá despesas com a tosa e o adestramento profissional. Fora isso, é necessário ter tempo para brincar e passear com os cães. Gatos são mais independentes, mas também precisam encontrar espaços seguros e confortáveis para viver bem.


#FicaDica
Caso você não tenha condições para adotar um animal, considere também a possibilidade de ajudar as ong´s ou protetores independentes  que abrigam cães e gatos. Certamente você já ouviu falar de alguma. Pesquise se o trabalho é sério e se realmente eles estão engajados na causa.

As redes sociais são ótimas ferramentas para conscientizar as pessoas sobre a posse responsável e um importante canal para denunciar os maus tratos aos animais (Lei 9.605/98, em seu artigo 32).


Abaixo, um vídeo bem bacana criado pela Pet Anjo #PareDeAbandonar que mostra no olhar dos animais como é viver abandonado nas ruas. 

Vale a pena assistir:

Fonte: pensamentoverde.com.br (texto adaptado)

error

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado


*